Era junho de 1989 quando um grupo de trabalhadores da Embrapa fundou o SINPAF – Sindicato Nacional dos Trabalhadores de Instituições de Pesquisa Agropecuária e Florestal, com objetivo de criar uma entidade que representasse os trabalhadores das instituições brasileiras de pesquisa e desenvolvimento agropecuário. A criação foi possível somente com a Constituição de 1988, quando o Brasil havia acabado de sair do Regime Militar, onde a inflação medida pela Fundação Getúlio Vargas atingia um índice de 1.700‰ e a moeda em vigor era o Cruzado Novo.

 

GREVE E RESULTADOS

O sindicato começou a atuar e logo nos seis meses iniciais organizou a primeira grande greve dos trabalhadores da Embrapa por melhoria salarial. Com os resultados positivos alcançados, o SINPAF chamou atenção de outras categorias, como as das áreas de desenvolvimento agropecuário, fomento e abastecimento, e, logo, tornou-se também sindicato dos trabalhadores da Codevasf, distritos de irrigação, Pesagro, Emepa e Emparn.

 

EM DEFESA DA EMBRAPA E DA CODEVASF

Outro momento de destaque para os trabalhadores foi quando, em 2000, o SINPAF lutou para manter a existência da Embrapa e da Codevasf, ameaçadas pela PEC nº 20, do governo FHC. Essa PEC previa a extinção de empresas públicas dependentes do Tesouro Nacional. A luta foi grande, mas vitoriosa. Passados oito anos a entidade teve que combater novamente outra ameaça: o projeto de lei complementar 222/08, que autoriza a abertura de capital da Embrapa. O sindicato lutou junto com a categoria e conseguiu manter a Embrapa como empresa pública, mas continua atento, porque a matéria, de autoria do senador Delcídio Amaral, ainda tramita na Câmara, embora contenha vício de origem.