Início » Notícias » Embrapa anuncia ajustes no Plano de Cargos e Salários (PCE)

Embrapa anuncia ajustes no Plano de Cargos e Salários (PCE)

A direção da Embrapa anunciou na tarde desta quarta-feira (19/9) ajustes no Plano de Cargos e Salários (PCE) da empresa. Entre as mudanças, segundo nota enviada ao SINPAF pela diretora-executiva de Administração e Finanças, Vania Castiglioni, foi definida uma nova carreira para técnicos e alterações para migração na carreira de assistentes. A direção nacional do SINPAF se pronunciou à respeito (leia a nota abaixo).

Pelo novo texto do PCE, será estabelecido o auxílio implementação para os trabalhadores em três unidades: Embrapa Agrossilvipastoril, Embrapa Cocais e Embrapa Pesca e Aquicultura. Outro ponto contemplado no plano é a padronização do internível salarial em 3% por meio da nova tabela.

O SINPAF vai pedir a Embrapa mais detalhes das mudanças para avaliar o real tamanho da conquista e orientar os trabalhadores sobre a nova configuração do PCE.  Além disso, o sindicato considera o ajuste anunciado pela empresa como fruto da mobilização dos próprios trabalhadores. Leia a nota  da direção nacional do SINPAF:

Nota sobre a reformulação do PCE da Embrapa:

Às 14h desta quarta-feira (19/9) a Direção da Embrapa convocou seus trabalhadores para anunciar mudanças no Plano de Cargos e Salários da empresa. A mudança anunciada por vídeo conferência teve como motivação original as reivindicações apresentadas pelo SINPAF durante o fechamento do Acordo Coletivo de Trabalho do ano passado (2011/12).

A reformulação do PCE defendida pelo SINPAF centraliza-se em quatro itens fundamentais. São eles: isonomia de benefício, promoção dos assistentes, correção do interstício da tabela salarial e pecúnia para os trabalhadores da Amazônia legal.

Entendemos que a Direção da Embrapa agora busca cumprir com o acordo firmado com o SINPAF. No entanto, ainda insuficientes para o pleno atendimento dos anseios da categoria e repete erros históricos, como a supressão de referências.

Neste sentido, como não foi dado ao SINPAF a oportunidade de dialogar previamente sobre as alterações feitas, a Direção Nacional solicitou formalmente junto a empresa todos os documentos referentes ao processo. Os mesmos serão disponibilizados para que seja feita uma análise mais detalhada pelos trabalhadores nas unidades da Embrapa.

Após o resultado das análises das mudanças, o SINPAF se pronunciará formalmente no sentido de orientar e apoiar a categoria.

Direção Nacional – SINPAF 

Tags:

 
 

88 Comentários

  1. Marcello Guimarães disse:

    Odiei essa proposta de PCE… Como que um emepresa de Pesquisa não valoriza os assistentes que estudam, que ampliam seus conhecimentos. É uma vegonha saber que nossos dirigentes pessem dessa forma. O cara estuda, faz uma faculdade, uma pós, um mestrado e etc e o único incetivo que nós ganhamos da empresa é de estudar para sair dela…

  2. Jussara - CPAC disse:

    Passados seis dias do anúncio disso que chamam de PCE, cadê nosso sindicato. Está muito silencioso, nos deixando a mercê dos jacarés, que são muitos, nesta lagoa desigual. SOCORRO!!!!!

    • sinpaf disse:

      Companheiro,
      Informamos que a diretoria nacional do SINPAF solicitou ao Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese), na tarde dessa segunda-feira (24/9), um exame mais detalhado das alterações no PCE e os seus impactos (econômicos e trabalhistas) para a categoria. Para isso, a equipe necessita mais informações por parte da Embrapa, as quais já foram solicitadas de forma oficial. Esses dados vão subsidiar a análise do Dieese, que se converterá em um poderoso instrumento para que a categoria avalie e se posicione em relação ao Plano. Sabemos que boa parte dos trabalhadores já manifestou sua contrariedade, por isso, enquanto as coisas não ficarem claras, a orientação do SINPAF é não assinar nada, nenhum tipo de termo de compromisso ou de acordo ao novo PCE. Obrigado pelo contato. Saudações, DN-SINPAF

      • Renato disse:

        E agora, passados praticamente dois meses desde essa mensagem de que estão analisando o PCE qual é a posição do sindicato?
        Quando essa análise do PCE vai sair?

  3. NASCIMENTO disse:

    E O ACT ALGUMA NOVIDADE, SOBRE A NOVA PROPOSTA DA EMBRAPA? QUANDO VÃO SER AS ASSEMBLÉIAS

  4. jose acioly disse:

    COLEGAS ASSISTENTES, A PROPOSTA É QUE NENHUM, MAS NENHUM ASSISTENTE MESMO, ASSINE O TERMO, VAMOS REPROVAR A IMPLANTAÇÃO DESTA NOVA TABELA SALARIAL. COLEGAS, SE TODOS ASSIM DECIDIREM, A EMBRAPA TERÁ QUE RESOLVER O PEPINO, CASO NÃO RESOLVA, VAMOS A LUTA NA JUSTIÇA, VAMOS PEDIR A EQUIPARAÇÃO SALARIAL, VAMOS ACABAR COM ESSES DESVIOS DE FUNÇÃO QUE OPRIME OS ASSISTENTES, VAMOS PEDIR NA JUSTIÇA QUE A EMBRAPA SEJA OBRIGADA A DEFINIR OBJETIVAMENTE, QUAIS SÃO AS FUNÇÕES DE CADA CARREIRA, E NÃO DEIXAR COMO NOS ULTIMOS PCE’S QUE NO GERAL DIZ QUE OS ASSISTENTES DEVEM FAZER É DE TUDO, ATÉ TAREFAS DE ANALISTAS, PEÇO UNIÃO A TODOS OS ASSISTENTES E O APOIO DA DN DO SINPAF PARA DEFLAGAR-MOS A MAIOR LUTA QUE OS ASSISTENTES JA TRAVARAM NA EMBRAPA. “”PELA VALORIZAÇÃO DOS ASSISTENTES JÁ”".

  5. Paulo disse:

    Adicional de Qualificação, não inconstitucional , exemplo disso o próprio judiciário que julga os dissídios oferece aos seus assistentes:

    (LEI Nº 11.416/2006, ART. 26)
    ANEXO I
    REGULAMENTO DO ADICIONAL DE QUALIFICAÇÃO
    Seção I
    Das Disposições Gerais
    Art. 1º O Adicional de Qualificação – AQ, instituído pelo art. 14 da Lei nº 11.416,
    de 15 de dezembro de 2006, destina-se aos servidores das carreiras dos Quadros de Pessoal do
    Poder Judiciário da União, em razão dos conhecimentos adicionais adquiridos em ações de
    treinamento e cursos de pós-graduação, em sentido amplo ou estrito, em áreas de interesse dos
    órgãos do Poder Judiciário da União, observando-se os critérios e procedimentos
    estabelecidos neste ato.
    § 1º É vedada a concessão do adicional quando o curso ou a ação de treinamento
    especificados em edital de concurso público constituírem requisito para ingresso no cargo de
    provimento efetivo.
    § 2º A concessão do adicional não implica direito do servidor para exercer
    atividades vinculadas ao curso ou à ação de treinamento quando diversas das atribuições de
    seu cargo efetivo.
    Art. 2º O adicional somente é devido aos servidores ocupantes de cargos de
    provimento efetivo das Carreiras de Analista Judiciário, de Técnico Judiciário e de Auxiliar
    Judiciário do Poder Judiciário da União, na condição de optante pela remuneração do cargo
    efetivo.
    Art. 3º O servidor cedido não perceberá o adicional durante o afastamento, salvo
    na hipótese de cessão para órgãos dos Poderes Legislativo e Judiciário da União e da
    administração pública direta do Poder Executivo Federal, na condição de optante pela
    remuneração do cargo efetivo.
    Art. 4º Em nenhuma hipótese o servidor perceberá cumulativamente mais de um
    percentual dentre os previstos nos incisos I a III do art. 15 da Lei nº 11.416/2006.
    Parágrafo único. O adicional decorrente de ações de treinamento previsto no
    inciso V do art. 15 da Lei nº 11.416/2006 poderá ser percebido cumulativamentedaqueles previstos no caput deste artigo.
    Seção II
    Das Áreas de Interesse do Poder Judiciário da União
    Art. 5º As áreas de interesse do Poder Judiciário da União são as necessárias ao
    cumprimento de sua missão institucional, relacionadas aos serviços de processamento de
    feitos; execução de mandados; análise e pesquisa de legislação, doutrina e jurisprudência nos
    vários ramos do Direito; estudo e pesquisa do sistema judiciário brasileiro; organização e2
    funcionamento dos ofícios judiciais e as inovações tecnológicas introduzidas; elaboração de
    pareceres jurídicos; redação; gestão estratégica, de pessoas, de processos, e da informação;
    material e patrimônio; licitações e contratos; orçamento e finanças; controle interno;
    segurança; transporte; tecnologia da informação; comunicação; saúde; engenharia;
    arquitetura, além dos vinculados a especialidades peculiares a cada órgão do Poder Judiciário
    da União, bem como aquelas que venham a surgir no interesse do serviço.
    Seção III
    Do Adicional de Qualificação decorrente de Cursoss de Pós-Graduação
    Art. 6º O Adicional de Qualificação decorrente de cursos de especialização, de
    mestrado ou de doutorado é devido aos ocupantes dos cargos de provimento efetivo das
    carreiras de Analista Judiciário, de Técnico Judiciário e de Auxiliar Judiciário, observadas as
    áreas de interesse em conjunto com as atribuições do cargo efetivo ou com as atividades
    desempenhadas pelo servidor quando no exercício do cargo em comissão ou da função
    comissionada, nos seguintes percentuais incidentes sobre o respectivo vencimento básico:
    I – 12,5% (doze vírgula cinco por cento), em se tratando de doutorado;
    II – 10% (dez por cento), em se tratando de mestrado;
    III – 7,5% (sete vírgula cinco por cento), em se tratando de especialização;
    Parágrafo único. O fato de a especialidade do cargo de provimento efetivo estar
    em processo de extinção não impede a percepção do adicional de que trata o caput.
    Art. 7º O adicional é devido a partir da apresentação do certificado de curso de
    especialização ou do diploma de mestrado ou de doutorado, após verificado pela unidade
    competente o reconhecimento do curso e da instituição de ensino pelo Ministério da
    Educação, na forma da legislação específica.
    § 1º A comprovação do curso far-se-á mediante apresentação de cópia do
    certificado ou do diploma devidamente autenticada, podendo a autenticação ser feita pela
    unidade responsável pelo seu recebimento à vista do original.
    § 2º Não serão aceitas declarações ou certidões de conclusão de cursos.
    § 3º Os certificados ou diplomas deverão ser expedidos por universiidades; para os
    expedidos por instituições não-universitárias deverá constar o respectivo registro em
    universidade indicada pelo Conselho Nacional de Educação.
    Art. 8º Para o servidor que houver concluído o curso anteriormente à data da
    publicação da Lei nº 11.416/2006 será devido o adicional com efeitos financeiros a partir de
    1º de junho de 2006, desde que o respectivo certificado ou diploma já esteja averbado.
    § 1º Caso o servidor tenha concluído o curso em data anterior à publicação da Lei
    nº 11.416/2006, mas não o tenha averbado em seus assentamentos funcionais, o adicional será
    devido a partir de 1º de junho de 2006, mediante apresentação do respectivo certificado ou
    diploma até 30 (trinta) dias, a contar da publicação do regulamento no âmbito de cada órgão.
    § 2º O não cumprimento do prazo estabelecido no § 1º deste artigo sujeitará o
    servidor ao disposto no art. 7º.
    Art. 9º Somente serão aceitos cursos de especialização com duração de, no
    mínimo, 360 horas.
    Art. 10. O servidor que se encontrar aposentado na data da publicação da Lei nº
    11.416/2006 e que tenha concluído curso de especialização, de mestrado ou de doutoradanteriormente à sua aposentadoria, fará jus à inclusão do adicional no cálculo dos proventos,
    observado o disposto nos artigos 6º a 9º.
    Art. 11. O pensionista cujo benefício tenha sido concedido até a data da
    publicação da Lei nº 11.416/2006 fará jus à inclusão do adicional no cálculo da pensão, desde
    que comprove que o respectivo instituidor havia concluído curso de especialização, de
    mestrado ou de doutorado anteriormente ao seu falecimento, se ativo, ou à sua aposentadoria,
    se inativo, observado o disposto nos artigos 6º a 9º.
    Art. 12. O disposto nos artigos 10 e 11 aplica-se às aposentadorias e às pensões
    amparadas pelo art. 7º da Emenda Constitucional nº 41, de 31 de dezembro de 2003 e no
    parágrafo único do art. 3º da Emenda Constitucional nº 47, de 6 de julho de 2005.
    Seção IV
    Do Adicional de Qualificação decorrente de Ações de Treinamentto
    Art. 13. É devido Adicional de Qualificação ao servidor ocupante de cargo efetivo
    que comprovadamente houver concluído conjunto de ações de treinamento, desde que
    vinculado às áreas de interesse em conjunto com as atribuições do cargo efetivo ou com as
    atividades desempenhadas pelo servidor quando no exercício do cargo em comissão ou da
    função comissionada.
    Parágrafo único. O fato de a especialidade do cargo de provimento efetivo estar
    em processo de extinção não impede a percepção do adicional de que trata o caput.
    Art. 14. Consideram-se ações de treinamento aquelas que promovem, de forma
    sistemática, por metodologia presencial ou a distância, o desenvolvimento de competências
    para o cumprimento da missão institucional, custeadas ou não pela Administração.
    § 1º Todas as ações de treinamento custeadas pela Administração são válidas para
    a percepção do adicional de que trata esta Seção, exceto as relacionadas no § 5º deste artigo.
    § 2º Serão aceitas ações de treinamento não custeadas pela Administração,
    inclusive as realizadas antes do ingresso do servidor no cargo, quando contemplarem uma
    carga horária de, no mínimo, oito horas de aula, e tiverem sido ministradas por instituição ou
    profissional reconhecidos no mercado, desde que previstas no Programa Permanente de
    Capacitação de que trata o art. 10 da Lei nº 11.416/2006, observado o disposto no art. 17 deste
    ato, no que couber.
    § 3º Para fins de verificação da compatibilidade do evento descrito no parágrafo
    anterior com o Programa Permanente de Capacitação, o servidor poderá fazer consulta prévia
    à Administração, com a antecedência mínima de 15 dias úteis do seu início.
    § 4º A comprovação das ações de que trata o § 2º, far-se-á mediante apresentação
    de cópia do certificado ou da declaração de conclusão do evento devidamente autenticada,
    podendo a autenticação ser feita pela unidade responsável pelo seu recebimento à vista do
    original.
    § 5º Não se enquadram na definição de ações de treinamento, para fins da
    concessão do adicional:
    I – as especificadas no § 1º do art. 1º deste ato;
    II – as que deram origem à percepção do adicional constante dos incisos I a III do
    art. 15 da Lei nº 11.416/2006;
    III – reuniões de trabalho e participação em comissões ou similares;4
    IV – elaboração de monografia ou artigo científico ddestinado à conclusão de
    cursos de nível superior ou de especialização, de dissertação para mestrado e de tese para
    doutorado;
    V – participação em programa de reciclagem anual dos ocupantes do cargo da
    Carreira de Analista Judiciário – área administrativa e da Carreira de Técnico Judiciário –
    área administrativa cujas atribuições estejam relacionadas às funções de segurança, para fins
    de percepção da Gratificação de Atividade de Segurança – GAS, a que alude o § 3º do art. 17
    da Lei nº 11.416/2006.
    VI – conclusão de curso de nível superior ou de pós-graduação.
    Art. 15. O adicional corresponde a 1%, incidente sobre o vencimento básico do
    cargo efetivo do servidor, para cada conjunto de ações de treinamento que totalize o mínimo
    de 120 horas, podendo acumular até o máximo de 3%, conforme o número de horas
    implementadas.
    § 1º Cada percentual de 1% do adicional será devido pelo período de 4 anos, a
    contar da conclusão da última ação que permitir o implemento das 120 horas, cabendo à
    Administração efetuar o controle das datas-base.
    § 2º As horas excedentes da última ação que permitir o implemento das 120 horas
    não serão consideradas como resíduo para a concessão do percentual subseqüente.
    § 3º O conjunto de ações de treinamento concluído após o implemento do
    percentual máximo de 3% observará o seguinte:
    I – as ações de treinamento serão registradas à medida que concluídas;
    II – a concessão de novo percentual produzirá efeitos financeiros a partir do dia
    seguinte à decadência do primeiro percentual da anterior concessão, limitada ao período que
    restar para completar 4 anos da conclusão desse conjunto de ações.
    Art. 16. Em nenhuma hipótese o adicional de qualificação em razão de ações de
    treinamento integra, como parcela própria, os proventos de aposentadoria e as pensões.
    Seção V
    Das Disposições Finais e Transitórias
    Art. 17. O adicional de qualificação referido no artigo 15 aplica-se somente às
    ações de treinamento concluídas a partir de 1º de junho de 2002, data dos efeitos financeiros
    da Lei nº 10.475/2002.
    § 1º Os coeficientes implementados em razão de ações de treinamento concluídas
    entre 1º de junho de 2002 e 1º de junho de 2006 surtirão efeitos financeiros a partir de 1º de
    junho de 2006, vigendo pelo prazo de quatro anos a que alude o § 2º do art. 15 da Lei nº
    11.416/2006, desde que comprovados na forma do § 4º do art. 14 deste ato, dentro de 30 dias
    a contar da publicação do regulamento próprio no âmbito de cada órgão.
    § 2º O não cumprimento do prazo de 30 dias limitará os efeitos financeiros ao
    período compreendido entre a data da comprovação e 31/05/2010.
    § 3º As horas provenientes das ações de treinamento concluídas no período de 1º
    de junho de 2002 a 1º de junho de 2006 que sobejarem a 360 horas não serão consideradas
    para novo período aquisitivo.5
    Art. 18. O Adicional de Qualificação integrará a remuneração contributiva
    utilizada para cálculo dos proventos de aposentadoria, nos termos do § 3º do art. 40 da
    Constituição Federal.
    Art. 19. Os percentuais do Adicional de Qualificação incidirão sobre os valores
    constantes do Anexo IX da Lei nº 11.416/2006, observado quanto aos efeitos financeiros o
    disposto nos artigos 7º, 8º, 10, 11, 12 e 15 deste Ato, vedado, em qualquer caso, o pagamento
    do adicional com efeitos anteriores a 1º de junho de 2006.
    Art. 20. Este ato entra em vigor na data de sua publicação.

    • Augusto Silva CPAP disse:

      Legal! Será que o Nilson Rocha leu e aprendeu?

    • carlos jose disse:

      E tem mais, a EMBRAPA não aceita o Certificado de Graduação, só aceita o DIPLOMA. quem não tiver de posse do Diploma, não terá direito algum mesmo se um dia a Embrapa vier reconhecer essa Gratificação.

  6. Luiz Junior disse:

    Senhor presidente do Sinpaf,
    pelo amor de Deus, faça alguma coisa
    para impedir essa injustiça que a Embrapa
    está fazendo com a classe dos assistentes
    B e C, isso é um massacre, a Embrapa é
    uma empresa belíssima, que tem uma finalidade extremamente importante no contexto da agricultura no mundo, não combina com esse tipo de atitude, será que ninguém pode intervir nisso? Essa diretoria está trazendo de volta os efeitos práticos do coronelismo, da ditadura, da opressão à classe dos trabalhadores mais humildes, mais frágeis, Sr. Vicente, a insatisfação é geral, será que o ex-presidente Lula, um homem que veio da classe baixa não pode intervir nessa confusão psicológica que a diretoria da Embrapa está submetendo a todos?

  7. Thorio disse:

    O que mais me incomodou não é a suposta “maldade da diretoria” mas a passividade do sindicato. O sindicato perdeu a iniciativa e está se deixando conduzir pela Embrapa, não agimos apenas reagimos ao que a empresa faz. Enquanto o sindicato ficou parado esperando, a diretoria criou um PCE articulando isso com o governo federal e o sindicato ficou sentadinho e comportado esperando a empresa dizer algo. Cadê a articulação? Cadê a iniciativa, a busca da informação? Essa é uma reflexão que devemos todos fazer, para ontem.

  8. Franco disse:

    O moderador do Sinpaf não publica meus comentários. Por que é que existe um moderador nesse site?

  9. cleide disse:

    Eh, o dissidio como ficou?

  10. Francisca disse:

    Como é possível um absurdo desses? É uma lástima o q estão fazendo conosco, assistentes, a pouco tempo ganhei algumas referências (promoções) e ao mesmo tempo vi desaparecer com essa tabela imoral proposta pela diretoria, onde é que vamos parar? Nem os q tem mais tempo dentro da empresa se enquadra na prerrogativa para migrar nessa tabela, que Deus nos acuda e dê discernimento a esse povo da diretoria, credo!!!

  11. Emmanuel Messias disse:

    Se alguém souber quem troca um Diploma de Técnico de Administração, nível 2º Grau, pelo meu de Bacharel em Administração, com especialização em Análise de Sistema, favor entrar em contato.

    • jose acioly disse:

      MEU AMIGO MESSIAS, E O QUE DIGO EU, VOU FAZER 29 ANOS DE EMBRAPA DIA 20/10/12, TRABALHO HÁ 25 NA ÁREA ADM. DA EMPRESA,SOU ASST. B, REF. 14, MEU COLEGA QUE ENTREGA DOCS. E FAZ O CAFÉZINHO, TAMBEM É ASST. B, MAS JÁ ESTÁ ACIMA DA REF. 21, PROFISSIONALMENTE SOU COMPETENTE, MAS NÃO FAÇO PARTE DE “CLUBINHOS DA AMIZADE” NEM SOU AMIGO DOS “CHEFINHOS”. DAI NAS AVALIAÇÕES SUBJETIVAS ELES ME “COBRAM” ESSA QUALIDADE, E AI EU SIGO SEMPRE NA RABEIRA, E FELIZ QUANDO GANHO UMA REF. NAS PROMOÇÕES. SERÁ QUE CABE ASSEDIO MORAL NOS PROCESSOS DE PROMOÇÃO E PREMIAÇÃO?????

  12. Lúcia disse:

    Este cenário atual é preocupante e injusto.Com a apresentação do PCE a diretoria deveria ter refletido sobre esta ação que desestrutura o sistema e/ou joga por terra tudo o que estava sendo construído, que é muito além do que uma tabela salarial. Há desmotivação. Com razão, refletiu em sérias e justas resistências por parte dos empregados, porque o que podemos imaginar que o grande interesse da Diretoria é divisionismo entre as categorias. Em termos de Tabela salarial, há divergências gritantes. Façamos uso da mesma inteligência estratégica da Diretoria. Em vez disto, vamos compor um só agrupamento, em torno de objetivos comuns. Os que estão no poder – e vão continuar, em face dessas circunstâncias – penhoradamente agradecem um divisionismo entre colegas. Mas não podemos esmorecer. Vamos nos mobilizar, acompanhar, vamos cobrar. Enquanto o discurso da união não sair da teoria e se transformar na prática do entendimento e da soma de esforços, enquanto a vaidade e a soberba se sobrepuserem à lógica e ao bom senso, enquanto prevalecer essa política de apenas dar o recado e marcar presença, sem compromisso com os resultados, somente um milagre poderá evitar que tudo continue no mesmo.
    Até quando seremos obrigados a trocar o nosso futuro pela necessidade imediata do aqui e agora?Chega de imediatismo.A maioria do recurso pedido será para atender as unidades criadas recentemente que terão 25% acrescidos no salário. O PCE é nosso futuro na empresa.Vejo que nadamos num SAAD competitivo e desumano e, morremos na praia sem nenhuma motivação (perdas de referências).Vamos unir em cada unidade para apresentar ao SINPAF nossa insatisfação. A luta, sempre continuará…

  13. Augusto Silva CPAP disse:

    E agora essa proposta indecorosa para fechamento do ACT. Pelo menos na nossa unidade só foram descontados os dias de greve do mês de junho!! Como sempre estão querendo nos enganar!

  14. Giancarlle Moura disse:

    Gostaria de saber por que o meu comentário foi retirado????

  15. Roberio Nobre disse:

    E o Pesquisador I, continua na mesma? Nenhuma atitude foi tomada? Nem assessoria juridica do SINPAF se pronunciou, imagine a DE da embrapa?

  16. Elias disse:

    Sugiro que a Diretoria Nacional do Sinpaf encaminhe a proposta de não assinatura desse PCE. Se ninguém assinar concordando com a mudança de PCE, eles vão ter que refazer. Talvez o boicote ao novo PCE seja a solução. Sugiro também mudar o nome do PCE, no lugar de “Plano de carreira da Embrapa”, seria mais adequado se Chamasse PFE – Plano de Freio da Embrapa.

  17. Giancarlle Moura disse:

    A Embrapa está cometendo um erro e que eventualmente poderão surgir várias ações judiciais, no tocante a criação das carreiras de técnico A e B, ou seja ,um profissional que possui registro no conselho de classe e paga suas anuidades, desempenhará as mesmas funções que um técnico B, com segundo grau apenas, o que poderia caracterizar
    exercício ilegal da profissão. Estou citando a situação dos colegas técnicos agrícolas, que são regidos pela resolução do CONFEA nº 278, de 27 de maio de 1983. Acredito que o mais justo seria que os Assistentes A, que possuem nível técnico e devido registro no conselho de classe da categoria, ficassem com a nova simbologia do cargo de Técnico A.
    Fica aqui a minha humilde opinião e espero que o SINPAF nos dê essa força, pois o que está está sendo reivindicado, não fere nenhum preceito constitucional.
    Um abraço a todos!!!!!

    Giancarlle Dantas
    Embrapa SPM E Petrolina – PE
    AssistenteA

  18. Indignado disse:

    Alerta ao Assistentes
    Essa é a prova que a Embrapa quer terminar com a carreira de assistente. Olhem para essa tabela nova os assistente ela cria a espectativa de ganhos mas na verdade ela confunde e mostra uma redução. Caros assistentes os nossos dias estão contados, as pesquisas são feitas em cima de dados e estes podem ser feitos por terceiros, podem se buscar dados em outras entidades. E a qualidade da pesquisa? E alguém vai questionar isso? Não, ainda mais de uma empresa que se diz pública.
    “Em tempo de seca quem morre primeiro é o boi mais magro, o gordo e vendido para ser abatido mais tarde.”
    Pensemos nisso!

  19. jose disse:

    Faço das palavras dos colegas um clamor a DN. Pelo que existe ainda de mais valioso em nossa categoria e empregados e ainda se resta um pouco de respeito a esta belíssima instituição. Apure, condense, mas leve para esta Diretoria ou melhor esta diretora, as indignações, as análises e, ainda esta farça que através de docuymentos usam apra inchar nosso maior patrimônio.
    A diretoria parece que deseja e consegiu, cada vez mais ela “DESAGREGA” e não só os grupos de cargos, não só as pessoas da instituição, mas sim o vlor do comprometimento amparado pelo reconhecimento. Infelizmente, ou sei lá, talvez felizmente, Pelo fato da diretoria fazer tudo de forma atropelada como novamente faz agora, sem planejamento, sem ordenação, com se diz no bom matutês,nas cochas. E ainda aquela pessoa sim possa com o que elea ganhou, parar em frente ao mar em uma barraquinha e tomar uma cervejinha gelada com um delicoso tira gosto, todavia, tenho certeza que muitos não o farão afinal, o que ganharam, não paga nem um quilo de PÃO.
    Por favor amigos da DN, unam-se, analisem, busquem especialistas, façam uma avaliação do que recebemos e vão aqueles que se dizem valorizar sua força de trabalho, valorizar seu capital humano, vergonhosamente oferecer uma proposta desta.
    Por tudo que há de mais valioso em sua dignidade, não aprovem isto, não aeitem isto e vamos rejeitar mesmo antes de ser proposto e dizer a diretoria que se estamos em dissídio em dissídio estaremos e assim iremos até o fim, a decisão agora é da justiça.
    Espero que todos se unam de forma coerente e tranquila ANALSITAS, PESQUISADORES e ASSITENTES mantenham-se unidos. Não pensem em seus umbigos.
    SINPAF, Na luta.

  20. sergio oliveira disse:

    quem são os “inteligentes” ou mau intencionados que elaboraram este PCE? deve ter muita gente do PT lá dentro que devem estar felizes da vida com tantos cargos de “confiança’ criados ao longo deste governo.

  21. Joana D´arc Queiroz disse:

    Tantas cabeças pensantes… tanto tempo desperdiçado, para apresentar uma Tabela ‘PRIMÁRIA”. Será que nos tomam por analfabetos ou ignorantes? É fácil comemorar tomando uma cerveja, mais não esqueça, o efeito da bebida passa e aí vem a realidade… QUEREMOS MAIORES EXPLICAÇÕES DO SINPAF. Se a comissão era paritária, cadê o entendimento das outras partes que representam nosso interesse?

  22. Antonio guedes disse:

    Ao que nos parece, andaram lendo Dom quixote(Miguel de cervantes); tal foi o impeto da ¨boa vova¨: quem sabe ler o pequeno Princípe(Antoine de Saint-Exupêry) talvez seja mais próximo da realidade!

  23. Paulo disse:

    Pessoal por favor observem 8 exemplos e nossa tabela está aquém:

    1) Senado Federal

    . A remuneração oferecida foi de R$ 13.833,64 para técnico legislativo e polícia legislativa, R$ 18.440,64 para analista legislativo e R$ 23.826,57 para o cargo de consultor legislativo.

    .

    2) Tribunal de Contas da União

    O TCU divulgou nota recentemente anunciando a realização de concurso público para o preenchimento de 29 vagas de nível médio para o cargo de técnico federal de controle externo. A remuneração inicial é de R$ 6.308,42, podendo chegar a R$ 9.334,55.

    3) Ministério Público da União

    A remuneração oferecida foi de R$ 3.993,09 para técnicos e R$ 6.551,52 para analistas.

    4) Polícia Federal

    Salários de R$ 7.818 para escrivão de nível médio e e R$ 13.672,00 para delegado e perito nível superior.

    5) Banco Central

    . A remuneração inicial de técnico (nível médio) é de R$ 4.917, podendo chegar a R$ 8.449. Já para o cargo de analista (nível superior), o salário é de R$ 12.960.
    6) Controladoria-Geral da União

    nível superior, com remuneração inicial de R$ 12.960,77. As vagas são para o cargo de vagas de técnico de finanças e controle (nível médio), com remuneração de R$ 8.484,53 .

    7) Agência Brasileira de Inteligência Nacional

    A remuneração oferecida foi de R$ 10.216,12 para nível superior e R$ 4.211,04 para nível médio..

    8) Supremo Tribunal Federal

    vagas para técnico judiciário (nível médio(a R$ 5.484,08, de acordo ACT próprio.

  24. Afonso Cardoso de Andrade disse:

    Como já do conhecimento de todos, a diretoria da Embrapa mais uma vez implanta um PLANO DE CARREIRA que não atende os anseios dos empregados da nossa Embrapa, principalmente, nós que estamos enquadrados no cargo de ASSISTENTE.
    Desta forma, estou iniciando uma campanha entre todos ASSISTENTES, que corresponde a 55% do total de empregados lotados nesta Unidade para NÃO ADERIREM ao termo que a Diretoria Executiva da Embrapa já elaborou e que vai solicitar a assinatura. Somente desta forma é que mostraremos que também somos importantes para o bom andamento das atividades e merecemos um melhor e maior reconhecimento por parte dos que fazem a DE da Embrapa.
    Na correção do PCE implantado em janeiro de 2009, o cargo teve o menor índice de reajuste de salário, foi o cargo dos ASSISTENTES e que era pretenção da DE da Embrapa na próxima revisão do PCE corrigir as distorções existentes, o que não ocorreu mais uma vez, para nossa completa decepção.

  25. jcamilo disse:

    Vânia e companhia detonou de vez com os assistentes, com essa nova tabela assistente B nunca mais conseguirá passar para nível médio.

  26. Eduardo Nogueira disse:

    A minha opinião é que devemos fazer um movimento para tirar o Arraes e a Vânia das suas respectivas funções.

  27. joseacioly disse:

    COLEGAS ASSISTENTES, A PROPOSTA É QUE NENHUM, MAS NENHUM ASSISTENTE MESMO, ASSINE O TERMO AEITANDO A NOVA TABELA SALARIAL. COLEGAS, SE TODOS ASSIM DECIDIREM, A EMBRAPA TERÁ QUE RESOLVER O PEPINO, NEM QUE TENHAMOS QUE IR A JUSTIÇA, PEÇO UNIÃO A TODOS OS ASSISTENTES.

    • joseacioly disse:

      SENHORES DIRETORES DO SINPAF, PEDIMOS QUE VOCES URGENTEMENTE TOMEM UMA ATITUDE PARA DEFENDER OS ASSISTENTES.

  28. mendingo CPAC disse:

    UM RECADO PARA DIRETORIA EXECUTIVA DA EMBRAPA JK DISSE: 50 ANOS EM 5 E CONSTRUIU NOSSA CAPITAL

    PEDRO ARRAES E VÂNIA CASTIGO: 39 ANOS EM 4, E ACABARAM COM A EMBRAPA

  29. mendingo CPAC disse:

    ” Vânia Castigo ” esse deveria ser o seu verdadeiro nome.
    Mais uma vez essa CORJA que se intitula diretoria executiva da Embrapa mostra sua cara, cara de pau diga-se de passagem, onde está a valorização dos empregados, isonomia só quando e para retirar direitos como no caso da folga de pagamento.
    Porém essa diretoria está conseguindo fazer história vai ficar pra sempre lembrada como DIRETORIA TITANIC.

  30. José Paulo disse:

    Sabe quem é o culpado por tudo isso que estamos passando? é preciso dizer? quando o sindicato convocou todos pela paralização quantos comparecem? quando o sindicato chama para uma assembleia, quantos assina a ATA? eu tiro o chapeu para a PF e os Professores Universitários.

  31. ironei disse:

    estou triste e decepsionado com o tratamento que esta Diretoria dar aos funcionarios da Embrapa, TEMOS QUE SER MAIS VALORIZADO, PORQUE A MAIORIA DE NOS ASS. B OU C TEM DESVIO FUNÇOES , agora com o reenquadramento dos ass. querem legalizar o inlegal, mas não poden pagar pelos conhecimento que o funcionario emprega na empresa, ex: ass, B no administrativo em laboratorios ect. ou ass. c conduzindo veiculos e em laboratorios ect.VALORIZAÇÃO DO ASSISTENTE JÁ; “ASSISTENTE TAMBEM E GENTE”

  32. Carlos disse:

    Tamanha falta de coerencia e arbítrio desses ajustes no PCE que só uma explicação é possível: é mais um passo do PT e da Dilma para privatizarem a Embrapa.
    Nem FHC ousou repetir a mesma dose duas vezes.

  33. Antonio disse:

    Prezados colegas!
    Sugiro a todos os assistentes, principalmente os Ass. B, recusem a migração para o novo PCE,não assinem o termo de aceitação do ajuste proposto, não precisamos de esmolas…
    E quando for julgado o dissídio será sobre a tabela anterior ou sobre a nova tabela?
    Se aceitarmos a nova tabela quem garante que o salário não ficará ainda mais achatado com o novo PCE.

    Ao Sinpaf:
    Qual a possibilidade de esclarecimento a todos a respeito desse “ajuste”?

    Abraços a todos

    • sinpaf disse:

      Caro companheiro,

      A Direção Nacional do SINPAF esclarece que não foi procurada pela Direção da Embrapa para negociar qualquer alteração do PCE anunciada ontem. Direção do sindicato e, acreditamos, seus dirigentes de base, tomaram conhecimento dos detalhes das mudanças apenas na videoconferência, o que avaliamos como profundo desrespeito para com a categoria. Agora, a partir das informações sobre os ajustes no Plano (foi solicitado um detalhamento à Embrapa), serão realizadas assembleias de base para unificarmos um entendimento diante das alterações feitas, em nosso entender, de forma unilateral por parte da direção da empresa. Mais detalhes sobre a posição da direção do sindicato, veja aqui: http://www.sinpaf.org.br/19/09/embrapa-anuncia-ajustes-no-pce/. Saudações, Direção Nacional – SINPAF

      • Vilson disse:

        Pelo que sei o sinaf participou da elaboração no ajustes no Plano de Cargos e Salários (PCE)não entendo porque da surpresa do sindicato com esse anuncio imagina.

    • JGUERRA disse:

      A diretoria da EMBRAPA insiste em utilizar o argumento da Inconstitucionalidade para negar o reconhecimento do esforço feito pelos assistentes em sua melhor qualificação profissional. Outras empresas do governo e privadas tambem, reconhecem e gratificam seus trabalhadores, colaboradores, associados ou qual seja a forma com que são denominados aqueles que emprestam sua força de trabalho para o sucesso da empresa. Como se pode querer um bom clima organizacional quando o que mais é feito é gerar descontentamento e frustração a grande massa trabalhadora? O escoramento na inconstitucionalidade é falho e ultrajante. Não estamos querendo burlar lei alguma, estamos querendo um reconhecimento pelo esforço em qualificar cada vez mais nossa intervenção nos processos de trabalho da empresa. Falsas expectativas foram geradas e o que percebemos é que, de fato, avançamos muito pouco.

      • Eduardo Nogueira disse:

        Inconstitucionalidade é dividir a carreira dos assistentes A em técnico A e B. Quando fiz concurso, o requisito era ter ensino médio mais curso técnico. Como agora vão criar uma carreira com um requisito menor, apenas técnico? Isso é absolutamente ridículo, além disso é improbidade adminiatrativa, fere os princípios da moralidade, isonomia e razoabilidade. O que o Sinpaf tem que fazer é entrar com um pedido de processo administrativo disciplinar em desfavor das pessoas que escreveram isso porque simplesmente estão rasgando a Constituição e acabando com a nossa Embrapa, que acima de nós, é patrimônio do país. Repito, este ato é IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA, a Embrapa não pode, em hipótese alguma, reduzir o requisito inicial da carreira de técnico para “ensino médio”.

  34. Alvaro disse:

    Pessoal (Assistentes A, B e C)
    Nós somos a força da Embrapa!
    Nós somos mais de 50% da empresa!
    Nós temos que nos unir !
    NÃO PODEMOS ACEITAR DENOVO UMA ABERRAÇÃO DESSA.
    NÃO PODEMOS MAIS ACEITAR PLANOS NÃO NEGOCIADOS COM SINDICATO.
    NÃO PODEMOS MAIS FICAR PARADOS OLHANDO A EMPRESA “ACABAR” COM NOSSA CLASSE.
    NÃO TEMOS SALARIO DESCENTE. NÃO RECEBEMOS NENHUM INCENTIVO PARA ESTUDO (TECNICO, GRADUAÇÃO, POS)
    NÃO RECEBEMOS PELO TANTO QUE FAZEMOS POR ESSA EMPRESA.
    Façam um conta rápida:
    Se vc tem, por exemplo, 20 anos de Empresa, vc deveria ter (no mínimo) UMA ref. por cada ano trabalhado. Digo no mínimo, pois as vezes ganhamos 2 ou 3.
    Então, se vc tem 20 anos de empresa deveria estar na ref 20. Aí pergunto:
    Qual a sua referencia atual????chega perto disso???? Claro que não !@!!!
    E sabe porque? porque toda vez que “criam” um novo PCE, vc recebe de presente um decrescimo em referencias de 5, 7 ou até 10 referencias.
    Ou seja, voce nada, nada, nada e NUNCA vai chegar na “praia”.
    A nossa “praia” deveria ser a nossa aposentadoria.
    Nós JAMAIS chegaremos nem perto do final da carreira, pois alem de sermos puxados para traz (em termos de referencias) eles ainda aumentaram a parte final da tabela.
    ISSO JA ACONTECEU 3 VEZES NA EMBRAPA
    Vc que é ainda novo na Empresa, junte-se a nós, pois isso é uma politica que SEMPRE ocorreu e esta ocorrendo novamente.
    Não são só os antigos os prejudicados.
    TODOS nos estamos ou seremos prejudicados.
    Precisamos nos unir e acabar de vez com esse absurdo!
    E tenham em mente: a Diretoria, daqui a algum tempo vai dizer: NÓS RESOLVEMOS OS PROBLEMAS DOS ASSISTENTES NO PCE DE 2012.
    podem ter certeza: Essa era a nossa UNICA chance de conseguir algum avanço. Se não conseguirmos desta vez, podem esquecer…..
    Adeus Embrapa…..

    • Flavio Jose de Souza disse:

      Somos 50% e sem força alguma. Pior de tudo, fazemos parte de um sindicato desarticulado politicamente. Uma pena. Uma pergunta: quando o Sr. Vicente ou alguém da Diretoria Nacinal vai fazer uma visita a Rondônia?.

  35. Paulo disse:

    Concordo com você “Francisco de Oliveira” , criou-se os cargos de técnicos mas não se respeitou os técnicos , tinha que se exigir conselho de classe e curso na área, e oferecer adicional de escolaridade para quem tem nível superior , esta esta história de inconstitucional é balela, pois a Petrobrás , os Institutos federais,IBAMA, MAPA, Banco do Brasil e Caixa Economica que também se enquadram com empresa pública oferecem adicional de escolaridade,como pode?.

    • Eduardo disse:

      Só tenho uma coisa a dizer:

      Quanto mais rico o circo, mais pobres os palhaços, a Embrapa e aquele vagabundo daquele presidente da Embrapa deve nos achar idiotas.

  36. Elias disse:

    Prezados Colegas,

    Mais uma vez fomos enganados e perdemos uma oportunidade histórica de reparar algumas injustiças. Mais uma vez fomos rebaixado, todos saem frustados, pois quando estamos vislumbrando uma ascenção na carreira, nos jogam para baixo de novo. Cada vez que avançamos na carreira vem uma malfadada tabela nova para nos punirmos. Parece que o objetivo da Empresa é jogar todo mundo para baixo, frustar a carreira e jogar para se juntar aos que estão entrando na Empresa agora. Vai ficar todo mundo que já tem muito tempo de empresa junto com os novos. Parece que a Embrapa fica com aquele joguinho de criança chamado “Ludo” quando vai chegando no final do percurso aí cai numa casa que diz, “volte oito casas”, volte cinco casas e por aí vai. É uma falácia, uma propaganda enganosa. Outra coisa que eles falam é que corrigiram os interníveis, pura ilusão, não conseguiram nem repor o que eles tiraram em 2009. O internível era de 3,35%, ainda estamos perdendo 0,35%. Não há motivo para comemorar, mas para protestar. Muitos colegas conseguiram apenas um aumento de R$ 9,00 (nove reias), como é que vai comemorar com cerveja, se o aumento só permite comprar uma? Vamos novamente entrar na justiça para recuperarmos as referências perdidas.

  37. Augusto Silva CPAP disse:

    Vou guardar minha cerveja para outra ocasião. Esse PCE não tem nada a ver com os anseios da categoria, a mudança nos interstícios não repõe o prejuízo de 2009 (os antigos vão continuar desvalorizados), a possibilidade dos Assistentes B e C chegarem a A é uma grande enganação, o adicional de sei lá o que é temporário e o aumento real não dá nem para comprar a cerveja da comemoração. Os únicos beneficiados nessa história toda, de novo, são os Analistas B que perdem no máximo 4 referências. Em outras carreiras a perda é de, no mínimo 8. Que coincidência!!!!!!! E pior: plano de cargos a Embrapa não é obrigada a negociar. Isso é um instrumento de gestão dela. Existem coisas positivas: o intertício de linear de 3% apesar de não repor prejuízos passados dá uma melhor perspectiva no futuro assim como o aumento das carreira na tabela salarial. A Dra. Vânia pode comemorar, mas o trabalhador não.

    • Franco disse:

      Meu caro, você deve estar brincando. Os Analistas “B”, juntamente com os Pesquisadores “A” foram os que tiveram a menor elevação do teto no final de carreira (27,69%). Enquanto isso, o teto do Assistente C foi aumentado em 36,74%, e o do Assistente B em 35,40%. Não entendo essa perseguição dos Assistentes aos Analistas da Embrapa.

      • Marcello Guimarães disse:

        Franco, vc se acha muito esperto não é… vc acha mesmo que trabalha mais do que qualquer assistente para ganhar tanto a mais que eles.

      • Franco disse:

        Nada a ver o seu comentário Marcello. A discussão não é sobre quem trabalha mais ou quem trabalha menos na Embrapa. Cada um faz o seu trabalho de acordo com o cargo que possui. Se um Analista ou Pesquisador ganha mais do que um Assistente é porque eles foram aprovados no concurso para o cargo de nível superior, enquanto o Assistente foi aprovado no concurso para o cargo de nível médio ou fundamental. Agora, se você quer ganhar igual a um Analista ou Pesquisador é simples, basta passar no próximo concurso da Embrapa para um desses cargos, desde que possua os pré-requisitos necessários.

  38. Adão disse:

    Alguns comemoraram, mas é cedo ainda. A Dra. Vânia chegou a sugerir uma cervejinha depois da vídeo conferência, para comemorar. É… talvez. Sem dados oficiais e fazendo uma análise por cima, eu e o companheiro Eraldo exercitamos o seguinte: Se aceitarmos a nova tabela para a referencia proposta, além de perder as referências(?), podemos constatar que ao migrar(não linearmente) para o valor imediatamente superior e ao que você recebe agora, conforme dito pela Dra. Vânia, ganha um irrisório aumento, no meu entender e não atende às expectativas da categoria, muito embora, aumente(?) o número de referências na carreira. Também constatamos(se estivermos certos é claro), que para o ano que vem, quando da distribuição das referências por mérito, diminuirá os participantes no contexto, tendo em vista que aumentou o interstício entre as referências, mas, se a Embrapa aumentar o aporte financeiro, pode contornar o problema. Constatamos também, que, precisamos assinar um documento para caracterizar “estar de acordo com a nova tabela”, para que os trabalhadores não venham entrar na justiça a posterior. Não conseguimos entender direito aquela parte do slide que diz a aplicação num prazo de alguns anos para noventa e poucos milhões como repercussão financeira??? Prazos de 7 e 14 anos, servem também para atingir os novos contratados ???, enfim, façamos um exercício detalhado, após buscar os informes do setor de recursos humanos de cada unidade(Os gestores deste setor tem que estar devidamente informados) e depois, com os dados concretos na mão, discutir em assembléia com os companheiros, se podemos comprar a cervejinha ou tomar uma garrafa de vinagre que é mais barato e talvez com o que sobre, tenhamos poder de compra. Devemos refletir cada detalhe, sem emoção, sem comemoração precipitada e depois dos dados e informações concretas em nossas mãos, decidirmos o que é melhor para a todos, se estivermos equivocados, nos redimimos e comemoraremos tomando uma caixa de cervejas num final de semana qualquer, mas, se for como analisamos podemos tomar…(faltaram-me palavras) há consegui lembrar, JUÍZO para decidirmos o que é melhor para nós e para a Embrapa. Abração à todos !!!

  39. Augusto disse:

    Mais uma vez agente percebe que não existe ganho pro assisnte. Ex. assistente a (atual) foi jogado do meio pro final com um salario inicial menor que a tabela anterior, ou muda ou muda para técnico. Eles simplesmente transformaram o antigo assistente a em tec. a/tec. b . E os assistentes B e C em agora assisntente a, b e c. Porque não mantiveram a tabela do assistente A antigo para os “novos” assistentes a, pura enganação!!!!!

  40. Afonso Cardoso de Andrade disse:

    Lamentamos o texto que foi redigido pelo nosso presidente e companheiro Vicente…comerar o que?
    Esta é a opinião de um filiado,mais uma vez decepcionado,ou seja,a embrapa só falou de aumento no teto das carreiras,mas veja um exemplo de uma carreira:OB24 PARA ABXVIII,ou seja regrediu 06 referencias e aumentou mais 10,total mais 16 referencias pela frente,e ai é mole ou quer mais.

    • sinpaf disse:

      Caro companheiro,

      A Direção Nacional do SINPAF esclarece que não foi procurada pela Direção da Embrapa para negociar qualquer alteração do PCE anunciada ontem. Direção do sindicato e, acreditamos, seus dirigentes de base, tomaram conhecimento dos detalhes das mudanças apenas na videoconferência, o que avaliamos como desrespeito profundo com a categoria. Agora, a partir das informações sobre os ajustes no Plano, serão realizadas assembleias de base para unificarmos um entendimento diante das alterações feitas de forma unilateral por parte da direção da empresa.

      Saudações,

      Direção Nacional – SINPAF

  41. JOSE DE RIBAMAR disse:

    TUDO QUE VEM LA DE CIMA (PT) É PARA SER CUMPRIDO A RISCA E QUAL O VALOR DO SINDICATO MESMO OU SERÁ QUE ELE NAO SABE TUDO O QUE ACONTECE, AFINAL TODOS SÃO PELEGOS MESMO.

    • sinpaf disse:

      Companheiro,

      A Direção Nacional do SINPAF esclarece que não foi procurada pela Direção da Embrapa para negociar qualquer alteração do PCE anunciada ontem. Direção do sindicato e, acreditamos, seus dirigentes de base, tomaram conhecimento dos detalhes das mudanças apenas na videoconferência, o que avaliamos como profundo desrespeito para com a categoria. Agora, a partir das informações sobre os ajustes no Plano, serão realizadas assembleias de base para unificarmos um entendimento diante das alterações feitas de forma unilateral por parte da direção da empresa.

      Saudações,

      Direção Nacional – SINPAF

  42. Maurilio Damião de Assis disse:

    Grande palhaçada, outra vez, não preciso de esmola.

  43. Zé do Beco disse:

    “A reformulação do PCE defendida pelo SINPAF centraliza-se em quatro itens fundamentais. São eles: isonomia de benefício, promoção dos assistentes, correção do interstício da tabela salarial e pecúnia para os trabalhadores da Amazônia legal” O QUE SERIA PROMOÇÃO DOS ASSISTENTE? ELES FORAM PROMOVIDOS AO CARGO DE ANALISTA E IRÃO SER REMUNERADOS IGUAL AO NIVEL SUPERIOR? ISSO PODE? E A CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988?

  44. EMBRAPIANO disse:

    Bem analisando a nova tabela, pode-se afirmar, que praticamente não houve alteração alguma.

  45. Iguimar disse:

    Somente uma pergunta… Se esta é a tabela que o Sindicato ajudou a aprovar e não apenas mais uma “jogada” pela Embrapa, por que o Sindicato precisa de maiores detalhes sobre a mesma e por que os representantes do Sindicato não estiveram presentes no anúncio desta “grande conquista”?

    • sinpaf disse:

      Caro companheiro,

      A Direção Nacional do SINPAF esclarece que não foi procurada pela Direção da Embrapa para negociar qualquer alteração do PCE anunciada ontem. Direção do sindicato e, acreditamos, seus dirigentes de base, tomaram conhecimento dos detalhes das mudanças apenas na videoconferência, o que avaliamos como profundo desrespeito para com a categoria. Agora, a partir das informações sobre os ajustes no Plano, serão realizadas assembleias de base para unificarmos um entendimento diante das alterações feitas de forma unilateral por parte da direção da empresa.

      Saudações,

      Direção Nacional – SINPAF

  46. Ronaldo - Rondonia disse:

    Se observar as tabelas pesquisador, analista e assistente, ver-se claramente que não ouve rebaixamento nos valores do pesquisador e analista,mas a do Assistente A foi rebaixada na nova tabela, visto que os Assistentes A foram para Tecnico B na propria tabela atual do Assistente A, sem vantagem alguma, enquanto Assistente B irá passar para A com a tabela rebaixada e dimuindo de referencia, enquanto os Ass. A com nivel superior precisarão fazer cursos tecnico p/ingressar no nivel do tecnico A, mostrando que p/embrapa ó curso tec. está acima do bacharelado,só na embrapa isto é possível.Sem contar que o analista A c/doutorado vai ganhar + q o pesq. B, trasnformando a embrapa numa empresa de análise e não de pesquisa

  47. Lúcia Helena disse:

    Estarei mobilizando os pesquisadores,isto é uma vergonhaaaaaaaa

  48. Afonso Cardoso de Andrade disse:

    Bom dia,companheirada!
    Mais uma vez a Embrapa,brincou com os seus trabalhadores,ou seja,Cumpriu com o ACT,mas não agradou aos trabalhadores,pelos em sua maioria,isto é querer jogar os trabalhadores contra o sinpaf.Porque se era uma comissão paritaria,onde estav o sinpaf quando do anuncio deste mal elaborado “PCE”.Mais uma enrrolação da embrapa.

  49. Felipe - Amapá disse:

    Bom dia,
    Desejo um posicionamento do SINPAF NACIONAL sobre a questão abaixo.
    Eu enviei a seguinte pergunta para o DGP e Sr. Faustino:
    Eu fiz o concurso de 2007 para técnico químico com registro no CRQ (Assistente A- Laboratorista) e assumi em julho de 2009, nesta nova regra do PCE está escrito que para para eu passar para Técnico “A” teria que somar 7 (sete) anos de Embrapa para poder migrar para este nível e fazer um curso técnico ou tê-lo,

    então eu pergunto?

    Qual vai ser a migração para quem já entrou com requisitos de ter um curso Técnico com Registro em Conselho de Classe, vamos ter que esperar chegar a 7 (sete) anos ou vamos migrar direto para Técnico A?

    Obrigado pela atenção.

  50. joseacioly disse:

    Prezados Colegas Embrapianos,
    Mais uma vez os Assistentes B foram preteridos, assistentes cujo a maioria já desenpenha funções de nivel médio (Assistente A) há muitos anos para a Embrapa, sem o devido reconhecimento, assistentes que se esforçaram para conseguir o nivel superior e assim prestar um serviço de qualidade dentro da empresa, e o pior é que acham que nos queremos ser tecnicos, analistas ou pesquisador, NÃO É NADA DISSO, O QUE QUEREMOS É UMA TABELA SALARIAL QUE CONTEMPLE ESTE ESFORÇO, NÃO IMPORTA A NOMENCLATURA DO CARGO, NÓS QUEREMOS É UM SALARIO COMPATIVEL COM NOSSAS RESPONSABILIDADES, nesta empresa onde analistas desempenham funções de Assistente A, e Assistentes A desempenham funções de B, e o Assistente B executa funções dos cargos supra citados, PREZADOS COLEGAS ASSISTENTES B, PROPONHO INUNDAR-MOS A EMBRAPA COM PEDIDOS DE EQUIPARAÇÃO SALARIAL NA JUSTIÇA DO TRABALHO, colegas Assistentes B, vamos a luta, e pedimos ao SINPAF que seja nosso escudeiro nesta empreitada.

    • joseacioly disse:

      EQUIPARAÇÃO SALARIAL, É UM SALARIO IGUAL PARA QUEM DESEMPENHA IGUAIS TAREFAS OU FUNÇÕES DENTRO DA EMPRESA.

      • joseacioly disse:

        E ATENÇÃO, 70 A 80% DOS RECURSOS PARA A IMPLANTAÇÃO DO PCE, SERÁ USADO PARA PAGAR O AUXILIO IMPLANTAÇÃO E O RETROATIVO PARA AS TRÊS UNIDADES CRIADAS RECENTEMENTE. POUCOS SE ATENTARAM PARA ISSO NÃO É???

  51. Jean disse:

    Há somente dois aspectos positivos nesses ajustes, o primeiro e mais relevante diz respeito à equivalência dos interstícios em 3%, a outra se refere aos trabalhadores que haviam atingido o teto de suas carreiras. Afora isso, nada mais. Pois com a criação de um cargo de técnico as expectativas de assistentes b e c possuidores de nível médio foi aniquilada. Sinceramente, até o momento não entendi tamanha euforia no anuncio das mudanças.

  52. EMBRAPIANO CERRADOS disse:

    ficou uma bosta eta tabela pra assitentes. o cara temque estar caindo os dentes pra subir na carreira!!!! cadê o reconehcimento de titularidade? cade a isonomia de direitos quanto a titularidade e tambem licença prêmio? uma bosta ficou. uma bosta!!! a embrap esta achandoq ue vai pasar melzinho na nossa boca com esta merda de progressâo de carreira? porque não implantaram a tabela passada já apresentada pelo sindicato propondo o fim da carreira de assitente c? ah já sei né? isso vai acontecer, mas na proposta passada todos que tinahm 3 anos passariam automaticamente para asistente b agora continuará com 7 anos para passar pra assistente b e para assistente A mais 7 anos!! que bosta de plano de carreira!!! graças a deus estou esperando ser chamado par aoutro concurso . porque viver da embrapa leteralmente ¨TÁ FODA¨

  53. Alvaro disse:

    Pois é……
    Mais um PCE e a mesma coisa de sempre….dejavu….
    No meu caso “fui rebaixado” em 5 referencias…….
    Ficamos “anos” nadando e quando estamos perto da praia, vem a diretoria e “cria” mais centenas de metros até a praia, impossibilitanto de sequer chegarmos perto do final da carreira…vivem puxando nosso tapete.
    Então do que adianta esse PCE: nada !!
    Trocou 6 por mei duzia.
    Foi apenas uma mudança de nomes em cargos. nunhum avanço. nada !
    E o pior: com 3% entre referencias, no processo de promoção do proximo ano, 2/3 das unidades NÃO receberão nenhuma referencia…..pensem nisso!
    Deu com uma mão e tirou com a outra.

  54. marcilio da silva costa disse:

    ESPEREI POR 3 ANOS ESSA NOVA TABELA,PRA AGORA SAIR E NOVAMENTE NÃO CONTEMPLAR OS ASSISTENTES C,OS MESMOS QUE LEVAM OS TRABALHOS DA EMBRAPA NAS COSTAS.Mas são os frutos dessa DIREÇÃO que está ai levando nosso acordo pra JUSTIÇA e no final do ano nos dá uma miséria.viva o brasil da copa 2014!!!

  55. marcilio da silva costa disse:

    Infelizmente não avancei em nada com essa nova tabela.Mas,já esperava por isso.A embrapa é para analistas e pesquisadores e não para mim:assistente c.Vou pedir DEMISSÃO!!!

  56. Enio Fraga da Silva disse:

    Companheiros,
    Tivemos vários avanços, porém, a comemoração é parcial!!!!
    De novo implantaram uma nova tabela em que houve perdas de referências a partir da sétima a decima referência em todas as carreiras!!!
    Nas últimas referências esta perda chega a 10 referências!!!!
    Ainda tem mais, houve um claro favorecimento aos analistas B a partir da referência AB21 (ANBXVI)… a referência AB24 teve um aumento de 13,45%!!!!!! Enquanto nas outras carreiras no máximo 3%!!!!!!!! Sendo que boa parte dos aumentos é menor que 1%!!!
    Conclusão: a Embrapa não tá nem aí para os funcionários mais antigos!!!
    Mais uma vez teremos que entrar na justiça contra a perda das referências!!!!
    Saudações
    Enio Fraga da Silva
    Pres. Sinpaf Solos

    • Augusto Silva CPAP disse:

      Se vc assinar o termo em que autoriza a mudança de tabela, como vai reclamar na justiça? Essa é mais uma sacanagem.

    • Franco disse:

      Caro Enio,
      Antes de fazer um comentário irresponsável desses, procure se informar melhor. O teto salarial dos Analistas “B”, juntamente com o teto dos Pesquisadores “A” foram os que tiveram o menor aumento (27,69%). Enquanto isso, os Assistentes “C” tiveram o teto aumentado em 36,74% e o Assistente “B” em 35,40%.

  57. Paulo disse:

    Prezados

    Na questão da promoção Assistentes, somente levou em consideração tempo de trabalho em detrimento a formação. Porque estudar neste paìs se nem uma empresa de referência não valoriza formação dos trabalhadores que são a metade de sua força laboral.

  58. Teles Dall Agnol disse:

    Onde ficaram a isonomia, adicional de escolaridade para assistentes e outros pontos fundamentais para melhoria do PCE, que foram propostos nas comições formadas no ano passado????
    Estes pontos apresentados de nada servem, onde estam as melhorias para os assistentes?, reduziram o salario do assis. A. Porque 7 anos de efetivo exercicio na função?
    Trata-se apenas de “encher linguiça”. Esta diretoria executiva que ai esta não tem o minimo de respeito com nós funcionarios.

  59. Rubens Rufino disse:

    Eu gostaria de dizer a cara colega Vania Castiglione que ao contrario dela tomarei sim duas cervejas, uma para comemorar a implantação do novo “PCE” e outra para esquecer este dia que é o maximo que os R$6,60 que o novo “PCE” me permite e viva o novo “PCE”!

  60. Adalberto disse:

    Companheiro
    Na minha opinião os percentuais do teto de cada cargo anunciados pela DE, não se reflete de forma alguma quando é feito o levantamento do intestício da tabela atual para a nova. Digo isto, tendo como exemplo o cargo de Assistente A na referencia 27(32 anos de Embrapa), que, com a nova tabela terá um acréscimo na salário de aproximadamente R$ 15,00, isto mesmo, quinze reais. QUE PCE É ESTE? COMO É QUE QUEREM AJUSTAR O CARGO DE ASSISTENTE DESTA FORMA? NÃO ESTOU ENTENDENDO MAIS NADA.

  61. Francisco Ronaldo Alves de Oliveira disse:

    Prezados colegas, é inegável os avanços que houve no novo PCE, no entanto, ainda vejo pontos que entendo como uma desvalorização profissional, por exemplo: os Assistentes A (Técnicos Agrícolas e Técnicos de Laboratório) contratados a menos de sete anos serão todos remanejados, caso aceitem, para o cargo de Técnico B. O problema é que este cargo exige apenas o ensino médio completo, nesse caso, quem prestou concurso e foi contratado para cargos da área técnica, agora assumirá cargo que não exige tal formação. O curso profissionlizante apenas terá validade quando o empregado completar sete anos de pleno exercício na Empresa. Assim sendo, acho um grande desrespeito para a classe.

    • Paulo disse:

      Concordo com você “Francisco de Oliveira” , criou-se os cargos de técnicos mas não se repeitou os técnicos , tinha que se exigir conselho de classe e curso na área, e oferecer adicional de escolaridade para quem tem nível superior , esta esta historia de inconstitucional é balela, pois a petrobras , os institutos federais, Banco do brasil e Caixa Economia que também se enquadrma com empresa pública oferecem adicional de escolaridade, a constituição deles foi interpretada diferente.

    • Emmanuel Messias disse:

      Se todos eram Assistentes A, porque agora resolveram dividir as categorias em Técnico A e Técnico B no meu entendimento era só criar a carreira de Técnico e fazer a transposição normalmente.
      Sou assistente A (final de carreira), formado em Administração/1990, registro em orgão de classe, com especialização e 23 anos de Embrapa. Será que vou ser Técnico B?
      Esse é um questionamento que muitos colegas na mesma situação estão fazendo.